As paredes da sala de aula não comportam mais toda a complexidade que envolve o processo educativo. A necessidade do contato com a realidade, de experiências concretas, do confronto teoria x prática, das vivências reais, tem se tornado vital no processo ensino-aprendizagem..

Neste sentido, os estágios, as atividades práticas, os projetos de extensão, as atividades de pesquisa e as atividades complementares tornam-se ferramentas importantes na graduação, pois através delas é possível garantir que o aluno vivencie experiências indispensáveis a um profissional que deseja estar preparado para enfrentar os desafios de uma carreira.

Está nos estágios e nas práticas educativas a oportunidade de assimilar teoria e prática e a possibilidade de conhecer a realidade do dia-a-dia da profissão que o acadêmico irá exercer. O contato com as situações que o estágio proporciona, contribui para que o estudante assimile as competências adquiridas e até mesmo as que ainda precisa adquirir.

As atividades complementares, por serem executadas de forma aberta e flexível, estimulam a prática de estudos independentes, visando o aumento da autonomia profissional e intelectual dos alunos.

Os alunos contam, para o desenvolvimento dessas atividades, com o apoio da Diretoria de Extensão e PesquisaDEP.

Para garantir o pleno funcionamento das atividades que compõem a Diretoria de Extensão e Pesquisa, faz-se necessário realizar um planejamento semestral, através do PTS (Plano de Trabalho Setorial) que se constitui no instrumento orientador do processo de tomada de decisões, bem como, norteador do caminho a ser percorrido pelo setor para o alcance de sua missão e visão.

Portanto, a Diretoria constitui-se como um setor de extrema importância no cenário institucional, tendo em vista que, através do desenvolvimento de suas atividades garante a efetivação de tudo que é idealizado pelos Coordenadores de Curso, de Estágio e Professores, no tocante às atividades práticas, extensionistas e de pesquisa.

Arquitetura e Urbanismo

Estágio I

 

Educação Física Bacharelado

Estágios III e IV

 

Engenharia Civil

Estágio supervisionado (Empresa)

 

Enfermagem

Estágio Supervisionado (Atenção básica)

Estágio Supervisionado (Hospitalar)

 

Farmácia

Estágio supervisionado – Clínico

 

Fisioterapia

Estágio supervisionado – Hospital

 

Estágio supervisionado – Clínico

 

Odontologia

Estágio supervisionado  – Adulto I

Estágio supervisionado  – Adulto II e Infantil

Estágio supervisionado  – Saúde Coletiva

 

Psicologia

Estágio supervisionado  – II e III

 

Serviço Social

Estágio supervisionado II

 

Sistemas de Informação

Estágio supervisionado I

 

  • Cadastro do estágiário
  • Carta de apresentação
  • Cronograma do estágio em campo
  • Cronogramas de supervisão
  • Informativo
  • Modelo de convênio
  • Modelo de frequência do estágio
  • Pesquisa de interesse – Campos de estágio/dias/horários
  • Plano semestral do estágio
  • Regulamento do estágio
  • Termo de compromisso
  • Termo de conclusão

ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO REMUNERADO

O Estágio não obrigatório remunerado é aquele desenvolvido como atividade opcional, e não substitui a carga horária regular e obrigatória. Além disso, o estágio não cria vínculo empregatício de qualquer natureza. Cabendo à IES zelar para que ele represente autêntica atividade pedagógica integrada, e não forma oblíqua de contratação de mão de obra.

Para os casos de estágio não obrigatório remunerado, auxílio transporte, seguro saúde, recesso remunerado e bolsa são compulsórios.

O objetivo principal é de proporcionar o exercício da competência técnica e o compromisso profissional com a realidade do país. Propiciando a complementação do ensino e da aprendizagem, e devendo ser planejado, executado, acompanhado e avaliado segundo os currículos, os programas e os calendários escolares, a fim de se constituir em instrumento de integração, em termos de treinamento prático, aperfeiçoamento técnico cultural, científico e de relacionamento humano.

ORIENTAÇÕES PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO REMUNERADO

PASSO A PASSO

(Acesse os formulários abaixo)

1º PASSO: Trazer uma via da proposta de estágio remunerado (plano de atividades), assinada e carimbada pela concedente e pelo supervisor, com o número de registro profissional.

Obs.: A concedente deve se disponibilizar a assinar toda a documentação do estágio do(a) acadêmico(a), além disso, o(a) supervisor(a) deve ser um profissional que tenha experiência e/ou formação na área do(a) estudante.

2º PASSO: Após a aprovação da proposta, o estudante deve preencher o Termo de Compromisso de Estágio, em três vias, assinadas pela concedente, supervisor, agente de integração (se houver), e apresentar ao NCF até a primeira semana de estágio.

3º PASSO: Mensalmente, o(a) acadêmico(a) precisa apresentar, na Central de Atendimento ao Acadêmico, o relatório mensal de atividades. Caso não apresente, poderá ter o seu contrato de estágio remunerado rescindido.

Obs.1. Os modelos de toda a documentação necessária para a realização do estágio estão publicados no site institucional, na página do Núcleo Curricular Flexível.

Obs.2. Todos os documentos deverão ser assinados e carimbados pelo mesmo profissional supervisor. Em caso de mudanças no supervisor, o NCF deverá ser informado, de imediato.

Jacobina

 

Lagarto

 

Paripiranga

 

Senhor do Bonfim

 

Tucano

  • Cronograma da prática em campo
  • Ficha de observação
  • Regulamento

É aquele desenvolvido por meio de convênio, conforme Regulamento da Instituição e demais legislações, não é remunerado e é coordenado e supervisionado pelos coordenadores do curso e do Núcleo Curricular Flexível.

Somente os acadêmicos que estiverem cursando os 3 (três) últimos períodos do curso poderão realizar estágio voluntário para fins de Atividades Complementares. Vale ressaltar que somente serão considerados como Atividades Complementares os estágios que forem previamente autorizados pela Coordenação do Núcleo Curricular Flexível.

PASSO A PASSO
(Acesse os formulários abaixo)

1º PASSO: Trazer a proposta de estágio, em três vias, assinadas e carimbadas pela concedente e pelo supervisor, com o número de registro profissional.

Obs. A concedente deve ser um órgão público e o supervisor precisa ser um profissional da área de formação do estudante. Caso não possua registro profissional, deve trazer anexada à proposta alguma comprovação de formação na área (diploma ou histórico). Quando o supervisor responder pelo órgão/instituição ele assina nos dois campos (Concedente e supervisor).

2º PASSO: Após a aprovação da proposta, o estudante deve preencher o Termo de Adesão, em três vias, assinadas pela concedente e supervisor, com o número de registro profissional e apresentar ao NCF até a primeira semana de estágio.

 3º PASSO: Ao final do estágio, o estudante deve apresentar o relatório das atividades desenvolvidas, as frequências mensais e o certificado de conclusão, tudo assinado e carimbado pelo supervisor, até 15 (quinze) dias após o encerramento do estágio. O certificado/Certidão precisa ser assinado, também, pelo representante da Concedente, caso este não seja o supervisor.

Obs. 1. O modelo do Certificado/Certidão é da concedente, mas não deve deixar de conter o período de realização e a carga horária, que devem ser compatíveis com o registrado na frequência. Além disso, deve constar a assinatura do supervisor e se for o caso, da concedente. Caso a concedente não possua um modelo padrão, o Certificado/Certidão pode ser emitido em papel timbrado.

Obs. 2. Todos os documentos deverão ser assinados e carimbados pelo mesmo profissional supervisor.

 

Jacobina

Lagarto

Paripiranga

Senhor do Bonfim

Tucano